Ego

Quando todos os atributos do mundo fenomenal que estão ligados ao ego são removidos, aparece o verdadeiro EU, que é supremo, não dual, o Brahman imóvel.

Com essa frase, tirada do livro "Dias de grande paz" de Mouni Sadhu começo esse texto e esse ano.
Faz uns 3 meses que "abandonei" as redes sociais, aquilo me consumia, acabava com a minha energia, era realmente desgastante e viciante. Não desqualifico as redes, porém, para mim acabou se tornando algo nocivo, extremamente nocivo.
A cada dia que fazia o login, já esperava por agressões, como tudo que habita o ser humano na terra... porque sempre tendemos à destruição e nunca ao amor? Porque preferimos agredir a fazer carinho? Porque sempre o caminho da raiva é mais fácil? Será que temos tantos problemas assim em demonstrar nossos sentimentos? Será que só quem é rude tem o respeito dos outros? É admirado?

Alguma questões a se pensar.

Falar de amor, sem romantismo também é difícil, nem sempre o amor está acompanhado de outra pessoa, podemos sim transbordar de amor, sendo sozinhos, afinal, SOMOS sozinhos.

Estamos aqui passando uma temporada, convivendo com outras pessoas que vamos gostar, nos apegar e outras que vamos aprender.

Não sou superior a ninguém porém cheguei a conclusão de que as redes sociais estavam me afastando do meu verdadeiro Eu e me aproximando do ego, dia a dia, alimentando esse monstrinho, afinal qual seria o objetivo de tanta exposição? Inflar o ego.

Todo mundo é feliz nas redes sociais, todo mundo é certo, tem a opinião perfeita, domina todos os assuntos, são seres superiores, que se acham no direito de descriminar livremente. Estou fora.

Não quero mais isso pra mim.

Procuro evoluir, dia a dia, um pouco de cada vez, cometendo erros mas aprendendo com eles. Sinto que estou no caminho certo, o caminho da luz.